Os libertinos

Os libertinos existem há muito tempo dentro da Igreja Cristã. Não vamos confundi-los com aqueles que procuram a liberdade da escravidão do pecado, da carne, do mundo e da lei, que é a liberdade cristã propriamente dita, encontrada em Cristo. Nesse sentido, todo crente verdadeiro é livre, ao mesmo tempo em que é escravo de Deus e servo dos seus semelhantes. Paulo fala disso em Romanos 6.

Continue lendo →

3 Dicas para falar de Jesus no Natal

Mesmo que nossa cultura se afaste cada dia mais de Cristo, o Natal ainda é o momento mais propício para falarmos sobre questões de fé com as pessoas não convertidas. Aqui estão algumas dicas para ajudá-lo a sair de sua zona de conforto e falar com todos ao seu redor sobre Jesus.

Você provavelmente já deve ter ouvido falar que o Natal é a época mágica do ano, quando as luzes estão acessas, as lojas estão cheias, e milhões de pessoas celebram e declaram “paz na terra”, enquanto trocam presentes com amigos e familiares.

Mas o que talvez você não saiba é que o Natal é também um dos melhores momentos para se anunciar o amor de Cristo, pois é nesse período que as pessoas, de forma geral, estão mais suscetíveis e abertas a conversar sobre assuntos relacionados à fé.

Então que tal você aproveitar essas próximas semanas para anunciar as pessoas ao seu redor o amor de Deus, revelado a nós através de seu filho Jesus Cristo? Veja abaixo algumas dicas que te ajudarão a sair de sua zona de conforto e falar com todos sobre Jesus.

1. Não odeie o Papai Noel, use-o.

Quer você goste ou não, o Papai Noel é parte integrante da paisagem cultural de dezembro. E embora saibamos que ele não salva ninguém, ele parece realmente ser um bom velhinho, que deseja que meninos e meninas se comportem melhor durante o ano. E mais, se você se comportar, Papai Noel te dará alguns presentes.

Vamos pensar um pouco sobre isso. Papai Noel se parece bastante com os fariseus do tempo de Jesus. Assim como os fariseus, Papai Noel preza muito pelo cumprimento de regras, bom comportamento e alto desempenho.

No entanto, a mensagem de “se esforçar mais ou fazer melhor” não é uma boa notícia, e não é o cristianismo. É uma distorção cultural deprimente conhecida como moralismo, e é tão libertadora como ser acorrentado a uma esteira e ser instruído a correr até a China. Não importa o quanto você tente, você vai estar sempre no mesmo lugar, apenas mais cansado.

Mas ao invés de ver Papai Noel como um adversário, um ser maligno, de origem pagã, que precisa ser exterminado da galáxia, os cristãos devem vê-lo como uma excelente oportunidade para surpreender as pessoas com o Evangelho.

Papai Noel não é o inimigo. Papai Noel é uma oportunidade.

O evangelho nos mostra que o verdadeiro doador de presentes é Jesus. E a forma como Jesus nos presenteia é um verdadeiro escândalo, que transforma a história do Papai Noel incutida na cabeça das pessoas em uma tremenda bobagem.

Em Efésios 2:8, Paulo nos lembra de que o maior presente, a alegria da salvação, é um dom imerecido de Deus, que recebemos gratuitamente, não pelo que fizemos ou deixamos de fazer.

Enquanto Papai Noel diz: “Faça para ganhar”, Jesus diz: “Receba”.

Enquanto Papai Noel diz: “Se você for bom, você vai ter o meu amor”, Jesus diz: “Só o meu amor pode te fazer bem”.

Enquanto Papai Noel faz uma lista das coisas boas que devemos fazer e das coisas ruins que fizemos e avisa: “Vou verificar duas vezes”, Jesus pega essa lista e declara: “Está consumado”, e perdoa nossos erros apagando-os para sempre (João 19:30 e Colossenses 2:14-15).

Portanto, você não precisa explodir o Papai Noel, apenas contraste-o com Jesus.

O evangelho é uma explosão de esperança que, de forma brilhante, ofusca o moralismo maçante do “bom velhinho”.

A boa notícia, que começa com a celebração do Natal, é que Jesus veio ao mundo para nos dar salvação, independente das nossas tentativas fúteis de “sermos bons”. Ao se fazer carne, habitar entre nós e morrer uma morte imerecida, Jesus nos revelou o amor de Deus, que está acessível a todos (se você é humano, você se qualifica), basta receber Jesus, e crer em seu nome. Isso sim é uma boa notícia que merece ser compartilhada.

2. Participe de eventos de Natal e convide pessoas

Uma das tradições mais comuns entre os cristãos durante o período natalino é a de participar de alguma celebração de Natal, seja um teatro ou musical, ou mesmo um culto mais formal. Esses eventos são excelentes para você convidar pessoas e levá-las a conhecer uma igreja.

Thom Rainer, presidente da LifeWay Research, disse certa vez que “se há um determinado dia do ano onde as pessoas não cristãs estão mais propensas a frequentar uma igreja, esse dia é na véspera de Natal”.

Isso significa que aquele seu amigo ou membro de sua família que não conhece Jesus está muito mais propenso a ir com você a uma igreja para participar de uma celebração de Natal, do que em qualquer outra época do ano.

Então vá em frente e convide-os! Muitas igrejas locais estão programando eventos para o Natal. Não perca essa oportunidade de apresentar o evangelho a quem você ama.

3. Lembre-se da promessa do Rei

Para muitos cristãos, o pensamento de evangelizar pessoas é desconfortavelmente assustador. Sabemos que esse é um mandamento de Cristo, mas quando precisamos sair de nossa zona de conforto para sermos suas testemunhas nos sentimos como Pedro, que ao ser chamado para fora do barco, começou a afundar no mar do medo (Mateus 14:31).

Sim, sabemos que o medo existe, ele é real. Todos nós experimentamos esses momentos de medo ao falar com alguém sobre Jesus Cristo e seu plano de salvação. Mas também sabemos que Jesus disse “não tenham medo” (Mateus 14:27). A questão é: como fazer isso? Como não sentir o mesmo medo que Pedro sentiu ao andar sobre as águas em meio à tempestade? Simples, basta não tirar os olhos daquele que governa o tempo (Marcos 4:41).

A chave para viver a Grande Comissão (Mateus 28:19) está nos versos que o rodeiam. No versículo 18, Jesus nos lembra de que ele é o Rei e possui toda a autoridade. Ele pode ter se humilhado nascendo numa manjedoura, mas agora Cristo reina mais uma vez do seu trono. Em seguida, no versículo 20, o Rei Jesus faz uma promessa: “E eis que eu estou com vocês todos os dias, até o fim dos tempos”.

Aqui reside a nossa coragem. A promessa de Cristo é o que alimenta o seu comando. Nós só seremos ousados para Jesus quando estivermos cientes de que Ele está conosco.

As quatro palavras mais importantes que você deve lembrar nessa época de Natal, e que te farão sair da sua zona de conforto para anunciar o evangelho, são as mesmas quatro palavras que Jesus disse “Eu estou com vocês”. Essas são as mesmas palavras que Deus usou para fortalecer e encher de coragem o seu povo durante toda a história (Josué 1:9, Isaías 41:9, Jeremias 1:8).

Pense nisso. Se o autor da vida o ama completamente e é com você continuamente, por que você tem medo?

Use essas três dicas e aproveite essa época festiva para apresentar as boas novas às pessoas que te rodeiam. Fale de Jesus, convide alguém para ir a igreja e não tenha medo… Jesus está contigo!

Livremente adaptado de The  Resurgence.

O fim do carnaval

Está chegando a data de uma das festas mais esperadas do mundo, o carnaval, uma festividade de muita agitação, arte, bebidas… para alguns até conhecida como festa da liberdade, onde as diferentes culturas no Brasil podem se mostrar e se fazer conhecidas com seus ritmos e danças. Mas esta data também é de muito choro, tristeza, saudade, insegurança, geralmente sentidos após a festividade do carnaval.  O carnaval é sim um período de morte de todos os tipos, no trânsito, por arma, seja branca ou de fogo, suicídios etc. Um período onde a criminalidade aumenta, brigas e estupros aos montes.

É no meio desse pandemônio de emoções que Deus chama a sua igreja para transformar a realidade de nosso Brasil. Nesse período a igreja tem que mostrar as caras, mostrar porque está aqui e para que está aqui! Se a igreja fechar suas portas, guardar sua fé, se reservar para não ir à batalha e negar a esperança, a luz não irá brilhar e então perderemos o sentido de sermos chamados sal e luz para esse mundo. O carnaval é a nossa data. Agora, mais do que nunca, é o momento de fazermos aquilo para que fomos chamados! É tempo de brilhar a luz que existe em cada igreja, em cada cristão.

Entendo que gostaríamos de estar em comunhão, adorando, estudando a palavra de Deus e isso é muito bom, mais nesse período, nessa data devemos obedecer ao que Jesus diz “Vão! Eu estou mandando vocês como ovelhas para o meio de lobos” (Lucas 10.3). Ele fala de renuncia e entrega, Ele fala de guerra espiritual, mais principalmente Ele fala de salvação, de esperança, Ele fala da luz que precisa brilhar em meio às trevas.

O carnaval é o apogeu de um país que precisa de Deus, e a materialização das influências demoníacas em nossa sociedade.  É papel da igreja declarar o fim do carnaval, se posicionar espiritualmente e publicamente contra o carnaval e toda sua malignidade. É o momento de levantar a bandeira da Cruz  e orar, e buscar mais do que nunca o poder do evangelho para que o carnaval possa chegar ao seu fim. Ore igreja do Senhor, peça o fim do carnaval, mas abra suas portas, reforce suas trincheiras e declare, no meio da maior festa da carne do mundo, que só em Jesus Cristo há esperança!!!

Estou feliz, pois percebo que uma nova “onda” tem levantado as igrejas. No Brasil, mais e mais igrejas tem aberto suas portas no período de carnaval, têm chamado o povo para se alegrar e festejar na presença de Deus. Segundo o G1, nesse ano de 2013 muitas cidades não terão o carnaval pago pelo governo ou prefeitura (http://g1.globo.com/carnaval/2013/noticia/2013/01/diversas-cidades-cancelam-carnaval-em-2013.html). Não é simplesmente a falta de dinheiro, mais é a resposta de nossas orações. É Deus abrindo as portas para que possamos mostrar a verdadeira e maior de todas as festas na presença de Deus.  Creio que o melhor de Deus ainda está por vir para nossa nação, e tenho certeza que muito mais igrejas entenderão seu papel nesse mundo e, de forma efetiva, por meio da ação, declararão o fim do carnaval.

Por: Antônio Sidnei

Você vai perder o Natal esse ano?

“Perder o Natal? Mas como isso é possível?”

Por incrível que pareça muitas pessoas perdem o Natal todos os anos. Isso não é muito difícil de acontecer. Nós facilmente nos distraímos com compras, presentes, viagens com a família ou com os amigos, festas de final de ano, shows especiais, férias escolares, que simplesmente perdemos o Natal.

Podemos nos tornar tão preocupados em fazer do Natal “coisas”, que acabamos perdendo completamente o foco principal do Natal: o nascimento de Jesus. Mas como podemos adorar a Deus diariamente nessa temporada festiva e comemora a sua vinda?

Simples: Não sendo como o gerente ocupado

Não se perca como o estalajadeiro fez quando Maria entrou em trabalho de parto (Lucas 2:6-7). Quem quer que ele tenha sido, o gerente (ou o proprietário da estalagem) estava tão ocupado com os acontecimentos ao seu redor (o censo que estava ocorrendo em Belém – Lucas 2:1-5, 7), que simplesmente virou as costas para uma jovem garota grávida, Maria, e seu marido, José. Ele estava tão ocupado com os negócios que não conseguiu sequer apontar outro lugar, outro abrigo, nem ao menos entrou em contato com uma parteira local para ajudar Maria em seu trabalho de parto. Em vez disso, deixou-a sozinha com José, que acabaram por ter seu filho em uma manjedoura (tabuleiro onde, nas estrebarias, se põe comida para os animais).

O Natal deste ano será o que foi por muitos anos: ocupado e comercializado. Portanto, tenha cuidado para não apenas “seguir o curso do mundo” neste Natal. O mundo em que vivemos não adora Jesus. Um natal cheio de atividades não vai levar você para mais perto de Jesus, ao contrário, vai te encher de preocupações, que te farão perder completamente o sentido do Natal nessa época do ano.

Não perca o Natal. Adore Jesus durante todos os dias desse período festivo. Desfrute de Deus neste tempo de Natal e comemore sua vinda. E lembre-se: Jesus, o filho de Deus, nasceu para morrer… Para morrer por amor a você e a mim, para salvar a você e a mim… E para nos chamar – a todos nós –, para nos negarmos a nós mesmos e para segui-lo. Esse sim é real motivo de festejarmos o Natal… esse é o nosso presente.

Livremente Adaptado de The Resurgence – Ministério da Igreja Marshill